Experiment

NOSSA PESQUISA

O nosso grupo de pesquisa esta associado ao Laboratório de Biologia Molecular e Edição Gênica do Câncer, o qual é coordenado pela Profa Edna Kimura, no ICB1/USP.
Investigamos como alterações em genes codificantes e não-codificantes (microRNAs, lncRNAs, circRNAs) influenciam e modulam o desenvolvimento do câncer agressivo e metastático com enfoque no câncer de tiroide e pulmão.

Scientist in the Lab

Papel das alterações na cromatina no Câncer Agressivo

Investigamos como as alterações na acessibilidade da cromatina aos fatores de transcrição e RNA polimerase influenciam na aquisição do fenótipo de maior agressividade no câncer.

Dentre as alterações na cromatina, estudamos o papel do empacotamento do DNA via complexo PRC2/EZH2 e sua atuação na metilação de histonas, asssim como o papel da metilação do DNA em ilhas CpG.

Embryonic Stem Cells

Novas terapias para o Câncer Agressivo

Investigamos o efeito da modulação de genes codificantes e não codificantes (microRNAs e lncRNAs) no fenótipo agressivo do câncer.

Para isso, utilizamos diferentes metodologias como:

  • RNA de interferência

  • super-expressão de genes com plasmídeo

  • antimiR ou antagomiR (oligonucleotideo antisenso LNA)

  • miRNA mimics (mimico de miRNA)

  • edição gênica com CRISPR/Cas9

  • inibidores de vias proliferativas

biogenese_edited.png

Papel dos microRNAs no Câncer Agressivo

   Investigamos como a alteração na expressão de microRNAs influencia os processos celulares relacionados a agressividade tumoral como invasão, migração e transição epitélio-mesênquima.

   Os microRNAs (miRNAs) são pequenos RNAs endógenos não-codificantes (~22nt) que inibem o processo de tradução de proteínas ao interferir com a estabilidade do mRNA alvo ou bloquear o complexo ribosomal.

   Os miRNAs interagem principalmente com a região 3-não traduzida (UTR) do mRNA através de pareamento imperfeito, o que resulta em efeito onde 1 miRNA regula mais de uma centena de mRNAs alvo diferentes. Dentre os diferentes alvos de miRNAs podem ser destacados genes supressores de tumor e proto-oncogenes, indicando a importância dos miRNAs na tumorigênese e progressão do câncer.

PRC2 lncRNA2.tif

Papel dos lncRNAs no Câncer Agressivo

   Investigamos como a alteração na expressão de lncRNAs, RNAs longos não-codificantes, influencia os processos celulares relacionado a agressividade tumoral como invasão, migração e transição epitélio-mesênquima .

   Os lncRNAs são RNAs longos não-codificantes com mais de 200nt que exercem as mais diversas funções celulares, desde a regulação da transcrição gênica até a tradução.

   Como exemplo clássico, temos o lncRNA XIST que apresenta mais de 19kb e participa do processo de inativação do cromossomo X em fêmeas, em um mecanismo associados ao recrutamento do complexo PRC2/EZH2, modificação de histonas e empacotamento da cromatina.

   No câncer, a desregulação da expressão de lncRNAs tem sido associada a alterações na biologia tumoral como aumento de agressividade, invasão e migração, além de potencialmente influenciar na regulação da função dos miRNAs.